sintonize em sua cidade:

últimas notícias

09
de Jun2017
Policial que agrediu o estudante Mateus Ferreira é indiciado por abuso de autoridade

Inquérito concluiu que capitão agiu de forma desproporcional e que Mateus não estava envolvido nas depredações de patrimônio ocorridas durante protesto

 

O capitão da Polícia Militar Augusto Sampaio foi indiciado pela Polícia Civil pela agressão cometida contra o estudante Mateus Ferreira da Silva, ocorrida no dia 28 de abril em um protesto contra as reformas promovidas pelo governo do presidente Michel Temer, em Goiânia. A decisão foi comunicada pelo assessor de imprensa da PC, Gylson Ferreira, em coletiva de imprensa realizada na manhã desta sexta (9).

O inquérito, formalizado pelo delegado Izaías Pinheiro, concluiu que o militar agiu de forma desproporcional, configurando abuso de autoridade. No entanto, como o capitão estava em serviço, o crime de lesão corporal grave deverá ser apurado na esfera militar.

Para a Polícia Civil, o caso não configura tentativa de homicídio, já que o policial e o estudante não se conheciam e Mateus não era seu alvo prioritário. Ainda segundo o inquérito, a análise das imagens demonstrou que o capitão não tinha a intenção de atingir a cabeça do estudante, que, por reflexo, flexionou os joelhos no momento da agressão.

Os casos de depredação ao patrimônio que aconteceram durante o protesto continuam sendo apurados em outro inquérito. Contudo, Gylson pontuou que após a análise de mais de 40 horas de gravações e depoimentos de diversas testemunhas, Mateus não foi visto, em nenhum momento, cometendo qualquer tipo de vandalismo.

Agressão

O estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG) Mateus Ferreira, de 33 anos, ficou ferido após receber um golpe de cassetete no rosto, desferido pelo capitão Augusto Sampaio. Com o impacto, o objeto chegou a quebrar. No hospital, ele foi diagnosticado com traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas e permaneceu internado até o dia 20 de maio.

A confusão aconteceu quando os manifestantes estavam concentrados na Praça do Bandeirante, no cruzamento entre as avenidas Anhanguera e Goiás. Em determinado momento da manifestação, um grupo arrancou bandeiras e cartazes de movimentos sociais que estavam em um carro de som e amontoaram para fazer uma fogueira.

Os PMs chegaram ao local e dispersaram o grupo, que em seguida quebrou vidros de uma agência bancária e foi mais uma vez repreendido. No meio da ação, Mateus foi ferido. Não há indícios de que ele fizesse parte do grupo que participou dos confrontos.

De acordo com a assessoria da Polícia Militar, foi instaurado um procedimento para apurar o caso. O capitão Augusto Sampaio foi afastado das funções nas ruas.